Menú

El Periódico Extremadura | Terça-Feira, 21 de janeiro de 2020

Os vereadores ajustam contas

As feridas abertas entre Alcántara e seus excompanheiros/colegas em Cs estão longe de cicatrizar . Choque entre o PP e Amores com o o fundo de que a oposição/concurso público perde parte de sua força sem Vox

JOSÉ LUIS BERMEJO caceres@extremadura.elperiodico.com CÁCERES
04/12/2019

 

Lo que se votou ontem no plenário/pleno da Câmara Municipal é importante. Se decidiu a configuração de órgãos onde se debatem decisões que afetam ao cidadão. Lo acordado altera o que tinha. Agora terá comissões menos operacionais com um número excessivo de vereadores, 17, e além disso é certo que se diminui «o trabalho de controlo» ao governo pela oposição/concurso público, denunciou o porta-voz do PP, Rafael Mateos, ao reduzir-se seu número. Mas também é verdade que até agora tinha comissões sem conteúdo, só/sozinho com o relatório/informe do presidente, e outras que nem se convocavam as vezes acordadas. A nova configuração é de 4 comissões e com 17 vereadores cada uma. Para não afetar a tramitação de processos se terão que convocar as vezes que sejam necessárias (não só/sozinho uma vez ao mês) e com a documentação dada com mais das 48 horas de antecedência com as que agora se dá porque a comissões mais densas, mais papéis.

Mas para além do que, das intervenções do plenário/pleno destacou o como. Foi uma sessão para ajustar contas, com os porta-vozes do PP, Rafael Mateos, e de Cs, Raquel Preciados, num lado e os vereadores não inscritos, Francisco Alcántara e {Teófilo} Amores, no outro. Os dois últimos abriram o debate. {Defendian} que seus direitos como vereadores não se vissem recortados. Os dois, mais a também não inscrita Mar Díaz, não estarão em órgãos de representação. E foi Alcántara o primeiro que citou a palavra mais repetida: trânsfuga, termo que «não se pode aplicar a um vereador que abandona seu jogo/partido após denunciar uma irregularidade», afirmou Alcántara, que introduziu este tema após assegurar que tem sofrido do porta-voz de Cs na Assembleia, Cayetano Polo, e da porta-voz municipal, Raquel Preciados, que tenham associado vereador não inscrito e trânsfuga duma maneira «perverso e interessada».

CHOQUES / E Alcántara ouviu a palavra trânsfuga só/sozinho uns minutos depois. «Um trânsfuga é aquela pessoa com um cargo público que não o abandona ao separar-se do jogo/partido com o que se apresentou como candidato (...) o {transfugismo} dá lugar a uma nova figura como a do vereador não inscrito», precisou Preciados. Antigos companheiros/colegas de jogo/partido, Alcántara e Preciados, protagonizaram o primeiro choque dialético do plenário/pleno. Este choque teve uma segunda parte só/sozinho umas horas depois, numa tertúlia em Onda Zero, entre Alcántara e Antonio Ibarra, vereador de Cs próximo a Polo.

Mateos entrou na discussão no plenário/pleno e apontou a Amores. «A vocês não gostam de, mas são {transfugas}». Outra conta pendente. Sem Amores e com outro vereador de Vox -jogo/partido que Amores deixou em Outubro-, a oposição/concurso público, com o PP como principal grupo, teria mais poder/conseguir na corporação. Mas com Amores com sua ata e sua liberdade de voto, o governo socialista de Luis Salaya o tem menos difícil. «Você se tem ido do jogo/partido, mas os 3.500 votantes de Vox não se têm ido», lhe disse Mateos a Amores em o seu segundo revezo. «Há uma comissão no Congresso que define que é o conceito/ponto de trânsfuga e a nenhum dos três -vereadores não inscritos da Câmara Municipal- lhe encaixa esse conceito/ponto por mais que você e a senhora Preciados se empenhem em dizê-lo», lhe tinha exposto antes Amores a Mateos.

Antes de votar teve um {receso}, uma última tentativa de que as comissões informativas se mantivessem em sete e com oito vereadores. Amores tinha proposto uma modificação do regulamento municipal e que os vereadores não inscritos se {turnasen} nas comissões para não ter que estar em todas. Mas não teve consenso, não tinha um voto a favor de todos os partidos -necessário face a que num futuro não se invalidassem acordos duma {comision} de oito- e não todos os vereadores não inscritos renunciaram «à representação à que têm direito de estar em todas as comissões», explicou Salaya después do {receso}. Na votação de 4 comissões de 17 vereadores, PSOE, {UP} e os três vereadores não inscritos votaram a favor. PP e Cs abstiveram-se.

As notícias mais...