+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

O turismo na província de Cáceres (VI)

 

SANTOS Benítez Floriano
11/03/2020

O ciclo festivo extremenho é a seção folclórica mais conhecida de todas. Há grande variedade de tradições e festas populares, interessantes tanto por sua originalidade como pela sua relação com as doutras regiões. Cáceres conta com um total de 26 Festas declaradas de Interesse Turístico: uma de carácter Internacional, a Páscoa de Cáceres; quatro de carácter Nacional: o Cerezo em Flor do Valle del Jerte, o Jarramplas de Piornal, o Outono Mágico do Vale do Ambroz e As Carantoñas de Acehúche; e vinte e um de carácter Regional, como O Peropalo de Villanueva de la Vera, Os Empalaos de Valverde de la Vera, Os Sanjuanes de Coria, A Encamisá de Torrejoncillo, etc.

Na secção de artesanato, as influências centenárias dos povos que habitaram Cáceres deram a esta província uma rica artesania, como mostram suas numerosas manifestações: a de cobre e latão de Guadalupe, os cachimbos de urze ou de pedra de vulcão do Gasco, o artesanato da cortiça de Martilandrán ou o bilro e a talha de madeira da Serra de Gata. A artesania do vime, a cestaria do castanheiro de Baños de Montemayor, a talha de madeira e os móveis de Hervás, som sobejamente conhecidas. A filigrana alcança seu máximo expoente na ourivesaria e o orive, remontando-se a sua influencia à época tartésica e fenícia. Os lugares nos que se realizam adereços típicos, como o cágado e os brincos, pulseiras, colares, anéis, cordões, broches, ganchos… estão repartidos pelas localidades de Cáceres, Torrejoncillo, Torrecilla da Tiesa, Ceclavín, Valencia de Alcántara e Zarza la Mayor. Do mesmo modo, ao falar de artesanato é obrigatório mencionar a olaria de Ceclavín, a cerâmica de Arroyo, os teares de Torrejoncillo ou as bonés de Montehermoso.

Não podemos finalizar este pequeno percorrido pela ampla oferta artesanal da província sem lembrar, o curtido de peles, a artesanato do couro, bordados, forja de ferro, talha de mármore e alabastro e calderería que em numerosaas aldeias cacerenhas gozam duma merecida fama.

O Artesanato Extremenho conta com mais de dois mil anos de história e é um elemento indispensável da nossa tradição cultural. O artesanato é um claro exemplo do Desenvolvimento Sustentável do Meio Rural. Mas não é só coisa do passado. Atualmente constituem o sector mais de 300 oficinas em toda Extremadura que dão trabalho a muitas pessoas.

O Artesanato é a testemunha da cultura e das tradições extremenhas e um ativo destacado da nossa Oferta Turística. O dia 7 de Abril de 2008 a Exma. Assembleia  Provincial de Cáceres inaugurou a Casa dos Moraga como Centro Provincial de Artesanato da Província de Cáceres e com posterioridade se abriu Centros de Artesanato em Trujillo, Plasencia e Guadalupe.

Podemos presumir de contar com um elenco de artesãos de primeira ordem que souberam unir tradição e modernidade, popular e seletivo, às vezes com peças únicas ao gosto dos clientes e que estão preocupados porque os ofícios artesãos persistam apesar de não poucas dificuldades

Gostaria de agradecer o grande trabalho que vem realizando a Associação Extremenha para a Promoção de Artesanato, fundada no ano 2003. É um coletivo de profissionais da artesania da Extremadura que abrangem toda a Comunidade Autónoma e a todos os ofícios artesãos... (Continuará).