+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

O templo budista passará em {Fitur} outra prova para chegar a Cáceres

O presidente da Câmara Municipal estará presente na Feria Internacional de Turismo em Madrid. Es o primeiro ato que abre a presença da Extremadura na mostra na quarta-feira

 

O presidente da Câmara Municipal de Cáceres, Luis Salaya, nesta semana na Câmara Municipal. - FRANCIS VILLEGAS

MIGUEL ÁNGEL MUÑOZ caceres@extremadura.elperiodico.com CÁCERES
17/01/2020

La presença da Extremadura na próxima Feria Internacional de Turismo ({Fitur}) em Madrid estrear-se-á esta quarta-feira às 10.30 horas com a apresentação do projeto Grande {Buda}, que pretende a construção na capital cacerenha de um centro budista com um investimento privado de capital asiático cifrada em 25 milhões de euros. No ato se apresentará a maqueta do edifício e uma recriação do mesmo.

O presidente da Câmara Municipal, Luis Salaya, estará presente neste evento. Precisamente o mandatário municipal recordou que o recente viagem oficial a {Nepal} «foi muito produtivo». Explica que no mesmo «cumpriu com uma agenda extraordinariamente intensa e que conseguiu seu propósito: que todos os agentes imprescindíveis para que este projeto saia adiante fiquem convencidos de que a localização deve ser a cidade de Cáceres».

Salaya recorda que a «{Estupa} de Paz, a grande estátua de {Buda} e os Jardins de {Lumbini} são o resultado concreto da assina do memorando assinado na sexta-feira passado entre as cidades património da humanidade de {Caceres} e {Lumbini} e símbolo da cultura da paz integral ou não violência como forma de expressão universal duma cidade com vocação de liderança internacional como é a de Cáceres, até uma mudança de consciencializa geral, o respeito pela vida, os direitos humanos, os direitos da mulher, o respeito pelo ambiente e o planeta».

Salaya qualifica de magnífico para a capital cacerenha este projeto já que «constitui um vínculo importante com Ásia, que posiciona a nossa cidade no centro do novo eixo da economia mundial».