Menú

El Periódico Extremadura | Segunda-Feira, 19 de agosto de 2019

O presidente da Câmara Municipal de {Zalamea} governa Cáceres

A obra de teatro mais célebre da localidade de Badajoz de Zalamea de la Serena faz uma pequena paragem/desempregada/parada na cidade. Os atores saem à rua, interagem com os vizinhos/moradores e animam aos cacerenhos a ir a esta representação, que terá lugar entre o 22 e o 25 de Agosto

MARÍA LUCEÑO
13/08/2019

 

En a próxima quinzena de Agosto as ruas da parte antiga de Zalamea de la Serena se {ambientan} por ocasião da popular obra ‘O presidente da Câmara Municipal de {Zalamea}’. Mas antes de participar na atuação, que se celebrará entre o 22 e o 25 de Agosto e que inclui o mercado artesanal e dezenas de exposições, a companhia fez sua paragem/desempregada/parada ontem na cidade. Os atores saíram à rua, interagiram com os cacerenhos e os convidaram a que se deslocassem à localidade de Badajoz para conhecer a representação de Calderón de la Barca.

En seu visita a Cáceres, a obra se deu a conhecer perante os meios de comunicação no Gran Teatro. Olga Rodríguez Estecha, que dirige aos mais de 600 vizinhos/moradores que interpretam a peça, explicou que esta edição se tinge de melancolia perante o falecimento de Miguel Nieto, o antigo diretor. Rodríguez Estecha foi a encarregada de recolher a testemunha; confessa a grande «responsabilidade» que isto supõe mas, ao mesmo tempo, diz, um «orgulho gigantesco» ao poder/conseguir ser feito um projeto como este.

O povo/vila inteiro se {vuelca} com o teatro. Cada vizinho/morador se mete na pele duma pessoa do Século de Ouro; se podem encontrar vilões, artesãos, pastores ou mesmo soldados. Esta reconversão é completa durante o tempo que dura a representação e quase as 24 horas. Tudo isto ajuda a submergir aos visitantes na atmosfera {calderoniana} da época. São muitas as pessoas que têm usufruído deste espetáculo e que têm repetido em edições posteriores. {Flori} Sánchez, vereadora de Teatro do Câmara Municipal de {Zalamea}, enfatizava que é graças à ilusão/motivação dos espectadores e à do próprio povo/vila, que no passado ano a representação teatral fosse declarada como Festa de Interesse/juro Turístico Nacional por parte da Secretaria de Estado de Turismo.

Olga Rodríguez afirmava ter realizado mudanças na adaptação mas, que tudo aquele que usufrua desta representação, «reconhecerá sem problema as anteriores edições», e acrescentava que, «Miguel, em certo modo, esteve entre nós nos ensaios. Era inevitável e ao mesmo tempo, agradável». Também, sublinhava que «temos de seguir/continuar trabalhando com alegria e com ilusão/motivação» para que cada ano se supere em relação ao anterior. As atividades complementares à obra de teatro terão lugar em sete pontos de cenas diferentes no centro histórico e esperam a mais de 5.000 espectadores.

As notícias mais...