+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

O pin parental

 

ANTONIO SÁNCHEZ BUENADICHA Profesor
16/02/2020

O pin parental conduziu a uma pergunta, ¿de quem são os filhos? que deveria saber responder cada qual e se tem dúvidas que vá ao ADN. Os contidos que tem de cursar um aluno estão divididos em três blocos. A programação das cadeiras (conhecimentos, valores e atitudes que devem alcançar), as atividades complementares ( ctos que se consideram necessários ou convenientes para completar as ensinamentos curriculares) e as atividades extraescolaridades. As duas primeiras se detalham no Projeto Educativo, um documento elaborado pelos departamentos do centro de acordo com as instruções do ministério e a conselheria que tem de ser aprovado no Conselho Escolar formado pelo pessoal do centro e pais.

As atividades extraescolaridades figuram, junto a todo o anterior, na Programação Geral Anual, um documento público elaborado pelo centro, avaliado pelo Conselho Escolar e aprovado pela Inspeção. Portanto, quando uma família inscreve a seu rebento num centro já tem a sua disposição toda a informação necessária acerca dos conhecimentos, valores e atitudes que se lhe vão a trasmitir e exigir e portanto ao matriculá-le está explicitamente dando sua conformidade. Isto é, já temos o pin parental.

Não obstante, a Inspeção de Educação extremenha, em circular de Outubro de 2019, instava aos centros a solicitar a autorização paterna para qualquer atividade dada por pessoal não que pertence ao centro. Ao pouco tempo deram-se conta de que punha em risco os princípios do Projeto Educativo e difundiram outra circular pela que não se necessitava licença para «as atividades formativas sobre a co-educação, educação afetivo-sexual, identidade ou expressão de género, modelos de família ou quaisquer outra temática de educação em valores que o centro contemple em sua Programação Geral Anual (PGA)».

Portanto, parece que as autorizações se circunscrevem ao ballet e coisas parecidas. Ora bem, numa coisa têm razão aqueles que pretendem estender a garantia do pin parental: às vezes se educa contra dalguns pais pois quando num centro se educa na igualdade de género se está ensinando e educando o contrário do que vêem alguns alunos em suas casas; quando se faz o mesmo sobre os diversos modelos de família se está a fazer contra da imposição dalguns pais; quando se insiste nas obrigações fiscais se está dizendo algo muito diferente do que se jactam em fazer alguns familiares, defraudar a Finanças ...