+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

{Paseíllo} cacerenho em defesa dos touros

A cita/marcação/encontro reunirá o 13 de Junho (19.30 horas) a profissionais e adeptos na porta grande do praça

 

LOLA LUCEÑO
09/06/2020

O mundo taurino tem sofrido em cheio a situação derivada do {covid}-19. Sem festejos desde há meses, porque o vírus chegou justo quando se iniciava a época, toureiros e subalternados necessitam trabalhar, os empresários perderam os investimentos das touradas suspendidas, e os pecuários têm toda sua cabana no campo com as dificuldades que isso implica, e que podem supor o fim dalguns ferros. Por isso, e pela salvaguarda dos touros como bem cultural, profissionais e adeptos estão chamados a um {paseíllo} em defesa do sector taurino, no próximo dia 13, sábado, em Cáceres.

Começará no lugar mais simbólico, a porta grande da praça de touros, às 19.30 horas. Os participantes irão até a rotunda de Hernán Cortés para regressar de novo à Era de los Mártires. Caminharão pelo lateral pedonal do Parque do Príncipe a fim de não prejudicar a mobilidade. A organização, integrada por profissionais taurinos ({recortadores}, pecuários, {mayorales}, bandarilheiros, associações...) incorpora o mote ‘#Também somos cultura’ e pede que todos levem suas máscaras e guardem as distâncias.

A situação do sector é preocupante. Nem sequer a reabertura das praças/vagas na fase 3 permite um pausa, «porque com uma lotação máximo do 50% e a proibição de superar em todo o caso os 800 espectadores, abrir-les não te permite cobrir despesas (autorizações, Segurança Social dos trabalhadores...). Falamos dum dos espetáculos mais custosos, difícil de rentabilizar com a praça/vaga mesmo cheia», explica Manolo Jiménez, presidente do Clube Taurino de Cáceres. Também não se sabe nada de como será o protocolo com a nova normalidade: se se alargará a lotação dos praças, quando ou quanto.

No {paseíllo} participarão toureiros, pecuários, moços de espada, {recortadores}, clubes e associações de Sierra de Fuentes, Arroyo de la Luz, Plasencia, Coria, Cáceres... «Se pode somar quem o deseje, será uma marcha tranquila, guardando as normas. O mundo taurino sempre está aberto, {respetamos} qualquer ideologia e só/sozinho {pretendemos} que se respeite a nossa», matiza/precisa Manolo Jiménez.

CÁCERES, SEM ÉPOCA / Por certo que a capital cacerenha é «a mais prejudicada», segundo explicam os adeptos, dado que nem sequer terá festejos em 2020. O estado da praça/vaga tem obrigado a cercar este monumento de 174 anos declarado Bem de Interesse/juro Cultural. Em Fevereiro, o PP apresentou uma moção aprovada com o apoio de Cs e os três vereadores não inscritos, para reformar-la «de maneira urgentíssima». Embora o PSOE negou a urgência, o presidente da Câmara Municipal, Luis Salaya, anunciou no dia seguinte que a melhoria se realizaria o quanto antes, mas esta época se dá por perdida.