Menú

El Periódico Extremadura | Segunda-Feira, 25 de junho de 2018

Nevado fechou 2017 com uma dívida de 16 milhões

O remanescente de tesouraria é positivo por terceiro ano após uma década em vermelho. A conta geral de 2017 se abordará na Comissão de Finanças de sexta-feira

JOSÉ LUIS BERMEJO
14/06/2018

 

A conta geral da Câmara Municipal do exercício de 2017 se abordará na comissão de Finanças que se celebrará na sexta-feira e que é posterior às reuniões mantidas pelos conselhos reitores dos organismos autónomos/trabalhadores independentes que já têm emitido parecer suas contas para a sua aprovação pelo plenário/pleno. Da liquidação e conta de 2017 da Câmara Municipal que preside a presidenta da Câmara Municipal, Elena Nevado, destacam três valores: a dívida pendente de pagamento, os rendimentos pendentes de cobrança e o remanescente de tesouraria para despesas gerais.

A primeira ascende a 16,1 milhões de euros, são cinco milhões mais que o ano anterior, mas segue/continua com um dos valores mais baixos desde 2000. Se têm incrementado as obrigações pendentes de pagamento pelo aumento da dívida por operações não orçamentais e pelos pagamentos pendentes de atender a data de 31 de Dezembro do orçamento de 2017.

Os direitos pendentes de cobrança -de impostos, taxas, transferências...- ascendiam ao fecho de 2017 a 35,5 milhões de euros, embora 10 milhões entram na provisão que se faz de saldos que seriam de duvidosa cobrança.

REMANESCENTE / O remanescente de tesouraria é por terceiro ano consecutivo positivo. Em 2017 por valor de 9,4 milhões. Para o cálculo do remanescente se têm em conta a dívida pendente de pagamento, os rendimentos pendentes de receber/acolher, os saldos de duvidosa cobrança, os fundos líquidos e o excesso de financiamento afetado tanto/golo do orçamento corrente como dos anteriores. Com este remanescente de tesouraria para despesas gerais já se têm financiado modificações do orçamentos aprovadas neste ano, numa delas se utilizaram 5,3 milhões desse remanescente para o pagamento de dívidas com o serviço de bombeiros, com o organismo de arrecadação da assembleia provincial e se cancelou um dos cinco créditos da Câmara Municipal com entidades financeiras.

A dívida pendente de pagamento que por montante de 16,1 milhões tinha a Câmara Municipal ao fecho de 2017 não era a única dívida da Câmara Municipal, dado que a essa data tinha outros 3,8 milhões por pagar de operações pendentes de aplicar aos orçamentos que não se tomam em conta no cálculo do remanescente de tesouraria.

As notícias mais...