+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

Os MIR adiam a greve para provar se a proposta do SES melhoria sua situação

A gerência lhes prometeu dois juntos mais em três meses. De não fazer-se realidade voltarão a convocá-la. Voltarão hoje a Urgências e valorizarão se a reorganização e um médico mais servem para garantir a supervisão

 

Os Médicos Interno Residentes, ontem entrando na gerência da área de saúde de Cáceres, onde se celebrou uma nova reunião. - FRANCIS VILLEGAS

SIRA RUMBO
05/12/2019

Los Médicos {Interno} {Residentes} (MIR) adiam a greve para provar se a reorganização do serviço de Urgências e a contratação de um novo junto a partir do 11 de Dezembro que lhes propôs o de Servicio Extremeño de Salud (SES) servem para melhorar a supervisão. Ambas partes celebraram ontem um quinto encontro que durou quase quatro horas e média/meia, no qual os residentes solicitaram à gerência da área de saúde que detalhasse se com a contratação desse novo médico ia a garantir a supervisão em todos os turnos, algo que preocupava a estes médicos, sobretudo nas Urgências pediátricas.

Tal como denunciaram os residentes, atendiam sós as consultas dos meninos, com a possibilidade de perguntar as dúvidas aos médicos que trabalham nas Urgências gerais. O problema é que, devido à saturação do serviço, muitas vezes era complicado. Segundo a proposta, vai-se a pôr a disposição dos MIR a um médico para que esteja fisicamente em todos os turnos neste espaço.

A gerência da área de saúde comprometeu-se além disso a contratar a dois médicos mais num prazo de três meses no máximo. Por esta razão os MIR se dão prazo até ao mês de Março para comprovar se essa promessa se converte numa realidade. Chegado esse momento, de não ter novos contratos, advertem de que voltarão de novo a convocar a greve.

Por seu lado o gerente da área de saúde de Cáceres, Juan Carlos Escudeiro, reconheceu o problema «assistencial» que tem o serviço de Urgências devido à falta de facultativos. Recordou que após o verão se conseguiu que se cobrissem três praças/vagas que estavam vazias às que somar-se-á uma de nova criação, que se ocupará depois de/após este ponte/feriado. «O objetivo é melhorar o serviço de Urgências e continuamos avançando», assegurou o gerente da área.

Juan Carlos Escudeiro está convencido que com o documento que ambas partes têm elaborado e assinado se «vai a melhorar» a sua formação. «O protocolo vai a pôr um pouco/bocado de juízo na supervisão de residentes nas Urgências», acrescentou.

O acordo a médio prazo chega depois de/após que os MIR tenham estado sete dias de greve, tempo no qual o SES se tem visto obrigado a reforçar o serviço de Urgências para que não afetasse à assistência. Cada dia trabalharam um ou dois médicos mais de guarda.