Menú

El Periódico Extremadura | Sexta-Feira, 3 de abril de 2020

Milhares de fiéis apoiam ao Penitente e mudam o beijo por uma inclinação

Às 20.00 horas de ontem tinham ido 5.000 pessoas, e hoy continuará exposto. O {besapié} regista mais público em Santiago apesar das circunstâncias

LOLA LUCEÑO
07/03/2020

 

Era evidente que o receio pelo coronavirus não poderia com Jesús Nazareno, uma talha que ao longo/comprido de 411 anos tem vivido situações muito mais dramáticas. Como as duas epidemias de peste do século XVII que obrigaram mesmo a realizar descidas extraordinárias da Virgem da Montanha, ou a epidemia do {tabardillo} que afetou a Cáceres no século XVIII, e sobretudo as quatro vagas do cólera do século XIX. Os fiéis têm tantas coisas que contar, pedir e agradecer a Jesús Nazareno que o coronavirus não lhes ia fazer faltar a seu cita/marcação/encontro anual com o {besapié}, que, isso sim, tem substituído o tradicional beijo por um gesto de respeito: muitas pessoas fazem uma ligeira inclinação de cabeça, enquanto outras aproveitam para ajoelhar-se diante da imagem.

Trata-se para além de uma ocasião muito especial: o 80º aniversário deste culto. Por isso, a confraria de Jesús Nazareno, a mais antiga da cidade, fundada em 1464, prolongará o {besapié} durante dois jornadas (ontem e hoy, de 8.30 a 23.00 horas na igreja de Santiago), e acolhe aos fiéis com uma medalha a modo de {escapulario} com as imagens de Jesús de Nazareno e a Virgem da Misericórdia, para além da habitual estampa com a oração do pregoeiro da Paixão, neste ano José Ignacio Sellers.

A confraria tem seguido/continuado as recomendações do bispado e tem posto um cordão diante da imagem para convidar a substituir o beijo por outros gesto, mas em troca, dado que o Nazareno não tem que estar em posição tão elevada, se tem colocado muito mais próximo aos fiéis, que podem admirar de perto a impressionante talha realizada em 1609 por Tomás de la Huerta, cujo realismo, história e qualidade artística falam por sim mesmas. Mas sobretudo destaca a devoção que tem despertado durante quatro séculos, nos que sucessivas gerações de cacerenhos apresentaram seus desejos e desvelos perante esta imagem. Ontem levava sua túnica bordada em Orellana / Orelhana pelas freiras {mercedarias} de Sevilla, e a cruz de {carey} com remates de prata realizada nos oficinas {hispalenses} de Pedro Barrés em 1765.

Até as 20.00 horas já tinham passado 5.000 pessoas, um número ligeiramente superior ao de edições precedentes. Ajudou o dia de sol, ajudou o 80ª aniversário, e se calhar ajudou esta situação anômala que reafirma em muitos sua determinação de não faltar a Santiago o segunda sexta-feira de Quaresma, que se converte cada ano na cita/marcação/encontro mais multitudinária prévia às procissões.

«COM MUITO CARINHO» / «Fizemos a todo o momento uma chamada à tranquilidade e estamos percebendo/recebendo a mesma sensação entre os fiéis, que se aproximam de modo muito respeitoso, com muito carinho, a Jesús Nazareno», destacou ontem o mordomo, {Eloy} Remédios. A irmandade tem adaptado a denominada porta dos peregrinos para que toda a gente, tenha ou não uma deficiência, possa entrar em Santiago. Ontem foram também diversos coletivos, entre eles o Coro "rociero", que cantou quatro orações a Jesús Nazareno e à Virgem da Misericórdia.

O {besapié} continuará hoy desde/a partir de as 8.30 ininterruptamente com missas às 12.30 e 19.30 horas, e confessores disponíveis durante a manhã e a tarde.

As notícias mais...