Menú

El Periódico Extremadura | Terça-Feira, 19 de junho de 2018

A Junta prevê abrir o hospital e fechar o da Montanha neste ano

Assembleia provincial diz que não tem decidido que fará com o prédio, de sua propriedade. {Vergeles} explica que o Provincial «é um hospital que tem tido problemas»

MIGUEL ÁNGEL MUÑOZ
09/01/2018

 

El conselheiro de Saúde, José María Vergeles, anunciou ontem a intenção da Junta de Extremadura de abrir no segundo semestre deste ano a primeira fase do novo hospital de Cáceres fechando o Virgem da Montanha, que passaria neste mesmo exercício a mãos de sua proprietária, a Assembleia provincial Provincial de Cáceres, instituição que avançou que ainda desconhece que fará com este imóvel.

Vergeles, numa entrevista que concedeu ao programa Agora Extremadura, de Canal Extremadura Televisão, adiantou que desejava que o quanto antes o Hospital Provincial Virgem da Montanha passe a mãos da assembleia provincial, «porque é um hospital que nos tem demonstrado que devido à falta de manutenção preventiva durante uma série de anos tem tido problemas».

El conselheiro apontou que a Junta «está investindo muito dinheiro anualmente para poder/conseguir manter as instalações do Virgem da Montanha operacionais, e para que sejam seguras, aproximadamente perto de 20.000 euros anuais só/sozinho de tetos». Vergeles referiu-se aos problemas surgidos ao início de legislatura com alguns tetos que se caíram. «Para que não se volte a repetir estamos investindo dinheiro, mas além disso estamos investindo noutras série de coisas que vão surgindo como o desgraçado incêndio ou por não dizer outra série de coisas que lhe estão passando ao hospital Virgem da Montanha».

Vergeles confiou entre seus propósitos para o novo ano poder/conseguir cumprir com a abertura do novo hospital que procura a cidade de Cáceres. «Abrir por fases não tem porque é que trazer problemas. Há exemplos de complexos hospitaleiros e não temos de sair da Extremadura, temos o exemplo de Badajoz, que tem o Infanta Cristina e outro bloco hospitaleiro que é o Perpétuo Socorro junto ao Materno Infantil e não se produz nenhuma alteração no que é o trânsito de pacientes e no que é a atenção aos mesmos», insistiu.

Vergeles disse que mesmo na própria cidade está o Virgem da Montanha e o São Pedro.

«Mas o que estamos propondo é a abertura do novo hospital de Cáceres fechando o Virgem da Montanha e mantendo dois centros hospitaleiros, o novo e o São Pedro de Alcántara, sem parar de construir a segunda fase, porque aqui se dá naturalmente que {paramos} ou nos esquecemos dessa segunda fase e nada mais longe de nossa intenção, toda a tranquilidade do mundo aos cidadãos», reiterou.

El conselheiro detalhou que terá «como dois transferências de hospital no mesma transferência. {Trasladaremos} o que é o bloco cirúrgico, por simplificar, ao novo hospital de Cáceres. No Virgem da Montanha ficariam apenas algumas consultas, o serviço de geriatria e a unidade de hospitalização breve de Psiquiatria, que teria que passá-la ao São Pedro. Se pode fazer ao mesmo tempo, necessitará alguma pequena adaptação o São Pedro».

Quanto a se a Câmara Municipal cumprirá com seu plano de trânsito, o conselheiro assinalou: «Espero que seja assim, porque o novo hospital vai-se a abrir e o vamos a precisar. Quando se lhe pergunta à Câmara Municipal, eles dizem que o têm facto/feito, espero que seja assim e que não tenha nenhum problema em relação a o que tem que ser o trânsito». Vergeles acrescentou: «Nós estamos investindo no via de acesso principal e no secundário de acesso que daria passo às Urgências. Não me cabe nenhuma dúvida de que vão a pôr tudo sobre/em relação a a mesa independentemente de que estejamos agora numa discrepância entre abrir ou não por fases, eu acredito/acho -concluiu- que é melhor, a saúde {cee} que é melhor».

As notícias mais...