Menú

El Periódico Extremadura | Sexta-Feira, 22 de junho de 2018

O jovem salvo por seus amigos segue/continua na {UCI}, estável e consciente

Os dois jovens que lhe reanimaram não deixam de receber/acolher reconhecimentos. O jovem evolui favoravelmente no hospital São Pedro de Alcántara de Cáceres

CARMEN HERNÁNDEZ MANCHA
13/01/2018

 

O jovem que na segunda-feira passada sofreu uma paragem/desempregada/parada {cardiorespiratoria} na sala de aula e foi reanimado por dois companheiros de classe continua na Unidade de Cuidados Intensivos do Hospital San Pedro de Alcántara. No entanto, fontes do Servicio Extremeño de Salud, SES, informam que evolui favoravelmente. Segundo a mesma fonte, Luis Rodríguez, como se chama o jovem, está consciente e estável.

O jovem, de 16 anos e aluno de primeiro de Ensino secundário do Instituto/liceu de Ensino secundário Norba Caesarina, se dissipou durante a classe de Matemáticas. Seus companheiros, Sergio Lasso e Aitor González, que tinham conhecimentos em primeiros auxílios, conseguiram reanimarle e manterle com vida até que chegaram os facultativos de emergências do 112.

Enquanto Luis evolui na {UCI} do hospital cacerenho, seus amigos Lasso, como lhe chamam todos, e Aitor, não deixam de receber/acolher reconhecimentos e açambarcar a atenção dos meios de comunicação. O último, ontem, quando a presidenta da Câmara Municipal de Cáceres, Elena Nevado, lhes recebeu na câmara municipal. La vereador lhes agradeceu «a generosidade e a madurez» que mostraram diante da situação e elogiou «a temperança» com a ambos praticaram as manobras de reanimação ao seu companheiro com paragem cardíaca.

Elena Nevada se tem referido a Aitor e Lasso como os «dois novos heróis» da cidade de Cáceres e lhes disse «sois um exemplo de valor, {habéis} devolvido à vida a vosso colega».

La presidenta da Câmara Municipal, além disso, destacou a importância da formação em primeiros auxílios já que é «aprender a salvar vidas» e se tem somado, segundo nota de imprensa da Câmara Municipal cacerenha, à reivindicação de pais e alunos para que os centros educativos ofereçam formação e conhecimento nesta matéria.

Sobre/em relação a o caso do jovem Luis Rodríguez se manifestou também o sindicato de professores {Anpe}. Seu presidente, Antonio Vera, mostrava-se a favor da instalação de desfibrilhadores nos centros educativos na região bem como «a criação por centro público docente ou distrito educativo em seu defeito, de praças/vagas específicas de enfermaria nos mesmos», os conhecidos como ‘enfermeiros escolares’.

La própria Conselheria de Saúde anunciou no passado mês de Agosto que vai a instalar desfibrilhadores em centros escolares, desportivos e comerciais, bem como em todos os centros de saúde da região.

O presidente do Ordem dos Médicos de Cáceres, Carlos Arjona, considera «muito importante» a instalação destes aparelhos, «se devem estender a grandes superfícies, centros escolares ou grandes empresas». Além disso, recorda que, atualmente, os desfibrilhadores são semiautomáticos, «somente temos de abrir o aparelho, instalar umas adesivos [à pessoa em paragem/desempregada/parada {cardiorespiratoria}], este faz um eletrocardiograma de maneira automática e, se temos de fazer-lhe uma descarga, avisa para que as pessoas se à parte e a faz».

Portanto, o uso dos desfibrilhadores automáticos não é muito difícil, o que é mais complicado, segundo Carlos Arjona, é «saber quando a pessoa necessita-o». Para isso, aponta, basta um curso simples. De facto, o mesmo Ordem dos Médicos de Cáceres ofereceu faz quatro anos à Câmara de Comércio cacerenha um curso básico para as empresas sobre/em relação a como e quando utilizar/empregar os {desfribiladores}, mas «não estiveram interessados», aponta seu presidente.

Carlos Arjona também é partidário dos cursos sobre/em relação a reanimação {cardiorespiratoria}, já que realizá-la necessita algo de formação, embora «também não é muito difícil» e como se tem demonstrado com Sergio Lasso e Aitor González, podem chegar a salvar uma vida no momento mais inesperado.

As notícias mais...