Menú

El Periódico Extremadura | Segunda-Feira, 25 de septembro de 2017

Habilitam um telefone para as vítimas de acosso em praxes

A Uex tem enviado um {email} a docentes e estudantes de todas as faculdades. Ontem foi o primeiro dia, mas as praxes seguirão/continuarão toda nesta semana

P. CÓRDOBA caceres@extremadura.elperiodico.com CÁCERES
12/09/2017

 

Un telefone contra o acosso e as humilhações nas praxes. A Uex tem enviado neste ano a todos os docentes e estudantes das diferentes faculdades um {email} no qual, para além de {recordar} que as praxes estão proibidas no campus, se juntava um número de telefone (924289306) ao que qualquer estudante pode chamar se sente que foi vítima de humilhações contínuas ou mesmo acosso. «Nalgumas ocasiões os jogos e brincadeiras que se fazem transferem a barreira do respeito. Se alguém nos quer transferir alguma situação estamos abertos e se estudariam as possíveis vias legais às que ir», assinala contundente Agustín Vivas, diretor de comunicação da Uex. Uma postura que coincide com a do conselho de estudantes da Uex. Seu presidenta, {Andrea} González, rejeita também de plenário/pleno as praxes. «Procuramos alternativas para que não se dêem estas situações. Há jovens que fazem coisas contra de a sua vontade por tentar integrar-se e o acabam passando mau», aponta.

No entanto, para além de as praxes que realizam em cada faculdade, neste ano os universitários não terão alternativa oficial. No passado ano o conselho de estudantes celebrou a I {Fun} Uex, uma jornada de lazer na qual se organizou uma corrida/curso de obstáculos na qual os corredores eram aspergidos com pós de cores durante a marcha, bem como atuações musicais, animação e {fitness}. Por outro lado, neste ano a demissão prematura do anterior presidente do conselho tem implicado que seja impossível organizar uma segunda edição. Se bem o ano que vem sim que esta previsto realizar outras praxes ‘oficiais’.

GORDURA / Ontem arrancou o curso 2017/18 e com ele, como cada ano, centenas de novos universitários passearam pelas ruas da cidade besuntados de tudo até as sobrancelhas. «Começo Direito e {Criminología}, uma nova corrida/curso que têm posto neste ano», confessa {Gabriela} {Álvarez}, natural de Casar de Cáceres. «Temos ficado no campus de manhã. Nos têm besuntado de tudo mas te o {pasas} muito bem e {conoces} mais rápido à pessoas. Não gostaria que se deixassem de fazer», assinalou entre risos. {Laura} Muñoz, veterana do grupo de tarde de Direito, revelou os ingredientes que têm utilizado. «Lhes temos {echado} ovos, farinha, vinagre... os temos pintado, lhes fizemos jogos de atrevimento...». De manhã, os universitários passearam pela cidade {ambientando} com música as ruas e preparando a tarde, que mudou o botellón pelas discotecas. «Estaremos por Pizarro, {Vora}, Versus/vs e depois Dois Caveiras», acrescentou Muñoz, outra firme/assine defensora das praxes.

¿Onde esta o limite entre o engraçado e o humilhante? A semana não fez mais que começar mas tudo irá bem se o telefone da Uex não soa.

As notícias mais...