Menú

El Periódico Extremadura | Quarta-Feira, 19 de septembro de 2018

A falta de examinadores poderia afetar a 700 alunos este verão em Cáceres

O incremento de candidatos/candidatas e os atrasos acumulados pela greve agravam a situação. A Chefatura Superior de Trânsito aumentou o número de exames para paliar o entupimento

CARMEN HERNÁNDEZ MANCHA caceres@extremadura.elperiodico.com CÁCERES
16/05/2018

 

Entre 600 e 700 alunos terão problemas para examinar-se este verão por falta de examinadores». Assim de contundente se {puestra} Francisco García, presidente da Associação Provincial de Autoescolas de Cáceres, que teme um entupimento nos próximos meses nos exames da {DGT}, quando mais volume de candidatos/candidatas a futuros condutores recebem as autoescolas.

O esclarecimento é simples, devido à greve de examinadores do ano passado, que durou cinco meses, há um atraso acumulado na realização dos exames para obter o carta de condução. A isto temos de somar que nos meses de verão, as autoescolas vêem incrementar num 75 por cento o número de alunos, a maioria, jovens que aproveitam as férias estivais para tirar-se o cartão. E a paralisação das provas pelo verão, de 1 a 15 de Agosto. Mas Francisco García aponta a um problema acrescentado com o que conta Cáceres e é a falta de examinadores, «tínhamos doze e seis se têm jubilado e não se têm peça sobresselente», explica, com o qual, há somente seis em ativo para toda a província cacerenha.

Os exames teóricos não são um grande problema, o pior acontece no caso das provas de condução, onde os examinadores somente podem receber/acolher um número limitado de alunos, já que o exame prático leva um tempo. Esta situação provoca que se convoquem exames cada dois meses e meio, porque não há capacidade para absorver mais candidatos/candidatas, com o consequente prejuízo para os alunos, que não sabem quando vão a poder/conseguir aceder às provas práticas, «se {tuviéramos} dez examinadores em vez de seis, não estaríamos assim», acha García. Por isso, muitos deles, segundo o presidente da Associação Provincial de Autoescolas de Cáceres, vão a outras cidades para examinar-se, básicamente, a Salamanca e Badajoz.

Para {subnasar} esta situação e tentar paliar o entupimento que prevê-se para este verão, a Chefatura Superior de Trânsito de Cáceres previu duas medidas. Por um lado, agrupar os exames teóricos em duas cidades. Na província cacerenha há cinco centralismos de exames, Cáceres, Plasencia, Coria, Navalmoral de la Mata e Trujillo. A Chefatura de Trânsito decidiu, de maneira provisória e excecional, unir todos os exames teóricos em dois lugares, a capital cacerenha, que acolherá aos candidatos/candidatas de Trujillo, e a de Plasencia, que solicitará aos de Coria e {Nalvamoral} da Mata. Desta maneira, se ‘libertam’ examinadores para os exames de condução, que são os que realmente {ralentizan} o processo; e, além disso, reúne-se a um maior número de alunos num mesmo exame.

Por sua vez, a Chefatura de Trânsito de Cáceres tem optado por outra opção para agilizar os exames práticos, estabelecer um calendário de antemão e programar as encontros cada quinze dias. Como explica Francisco García, «esta é uma procura de faz muito tempo das autoescolas». Como há tão poucos examinadores em Cáceres, somente seis, menos alunos poderão concorrer um mesmo dia ao exame prático; mas ao repetir-se cada quinze dias, se espera atender a mais candidatos/candidatas à longa e ajudar a desentupir a situação.

Embora García acha que «nunca chove a gosto de todos e terá pessoas a quem não lhe goste», que tanto/golo autoescolas como alunos saibam de antemão que dias há exames, «nos permite programar melhor o ensino e a eles, decidir quando querem começar com as classes práticas», sustenta.

O primeiro destes exames começará o próximo 23 de Maio em Trujillo. A província cacerenha consegue assim ter um calendário de provas e, embora serão cada quinze dias, enquanto Francisco García afirma que em Badajoz ou Salamanca são cada semana, prevê-se que ajude a reduzir os tempos de espera dos alunos.

Mas o presidente da Associação Provincial de Autoescolas de Cáceres insiste em que o problema de fundo continua a ser a falta de examinadores. A província ainda não se tem recuperado dos seis que perdeu pela reforma dos profissionais e a não reposição das praças/vagas. Ainda assim, Francisco García tem esperanças em que esta situação mude também nos próximos meses, «o diretor da {DGT} nos prometeu três examinadores mais em Julho». O primeiro deles está anunciado para finais deste mesmo mês de Maio, «embora não temos ainda conhecimento de que vá a chegar», afirma García, e os outros dois, antes das férias de verão, «que sairão das oposições/concurso público que houve este 6 de Maio, mas não acredito/acho que cheguem tão rápido, porque sempre há reclamações, pelo que não acredito/acho que estejam aqui até setembro», augura.

As notícias mais...