Menú

El Periódico Extremadura | Quinta-Feira, 23 de novembro de 2017

Denunciam «ameaças e insultos fascistas» na faculdade de Direito

«Franco deveu ter-vos matado», foi um das mensagens que recebeu um aluno. O coletivo atacado se reunirá com o Defensor Universitário amanhã

P. CÓRDOBA caceres@extremadura.elperiodico.com CÁCERES
14/09/2017

 

Juan Fernando Ruiz, o porta-voz de um grupo de alunos da faculdade de Direito da Universidad de Extremadura (Uex), nomeadamente do coletivo Estudantes Independentes de Direito, denunciou que um dos seus integrantes recebeu «insultos e ameaças fascistas» por parte do presidente da União de Estudantes Liberais e Progressistas ({UELP}), José García Portillo, quem «além disso faz parte da junta local de Novas Gerações do PP em Cáceres», acrescenta Ruiz.

«Na Extremadura todos sabemos que sois uma fraude» ou «Franco deveu ter-vos matado» são alguns dos mensagens de {Whatssapp} que recebeu o membro de Estudantes Independentes de Direito, que prefere permanecer no anonimato, durante a constituição do último conselho de estudantes da faculdade. Amanhã, Ruiz manterá uma reunião com o Defensor Universitário com a intenção de que «este tipo de atitudes não fique impune», assinala. De facto, estão meditando «empreender ações legais», acrescenta. Por seu lado, desde a Uex salientaron que não descartam tomar parte no assunto, uma vez o Defensor Universitário conheça a situação e determine «se trata-se de uma questão pessoal ou tem carácter institucional», assinalou Agustín Vivas, diretor de comunicação da Uex.

Sempre segundo Ruiz --já que este diário/jornal tratou ontem de conhecer a versão de Portillo sem êxito--, os insultos se produziram «em finais de Abril ou princípios de Maio», após as eleições do último conselho de estudantes da faculdade. O conselho é um órgão árbitro que se escolhe anualmente e está formado por presidente, vice-presidente e vogais. Aos dois primeiros os escolhem todos os alunos da faculdade em questão --neste caso Direito-- e aos vogais os delegados e subdelegados de cada classe.

Nesse sentido, Ruiz afirma que dois integrantes da {UELP} foram os escolhidos como presidente e vice-presidente do conselho, mas membros de Estudantes Independentes de Direito foram escolhidos como vogais. «Nessa altura se negaram a assinar a ata e se {caldeó} o ambiente. No fim assinaram a {regañadientes} e foi quando se produziram estes insultos e ameaças», assegura Ruiz. «Eles queriam o poder/conseguir e não contar com ninguém, mas os delegados e subdelegados nos tinham escolhido como vogais», afirma.

POR TEMOR / O que este assunto não tenha saído à luz até agora se deve ao temor. Segundo revela o porta-voz de Estudantes Independentes de Direito, «não denunciámos antes por medo. O colega que foi atacado estava assustado mas agora que Portillo se tem ido de Cáceres baixo/sob/debaixo de o programa {Sicue}, se tem atrevido a fazê-lo público», salienta Ruiz, que faz finca-pé em que «atitudes e comentários como estes não podem ter cabida no século XXI» ao mesmo tempo que defende que a luta {univeristaria} «não consiste em insultar a companheiros».

As notícias mais...