Menú

El Periódico Extremadura | Domingo, 17 de novembro de 2019

O corte da N-523 vai ser prolongado até ao 25 de Novembro

É parte da obra de conexão sul da plataforma do TGV com a linha convencional. É a data que Adif dá à Câmara Municipal para completar o falso túnel do comboio

J. L. BERMEJO
08/11/2019

 

O corte da N-523, entre a rotunda da estrada de Badajoz e a da feira, vai ser prolongado até ao 25 de Novembro, segundo confirmou ontem a Câmara Municipal. É a previsão que o Administrador de Infraestruturas Ferroviárias (Adif) deu à Câmara Municipal. Ontem de manhã já se tinha aberto a estrada, deixando o vazio no qual se tem que encaixar o falso túnel, cuja estrutura já está terminada. A caixa está colocada ao lado da estrada, junto ao troço de via já aberto. Desde Adif não se confirmou ontem nenhuma em relação à duração do corte do trânsito. O trânsito tem-se desviado pela avenida da Constituição, em Aldea Moret, e só se permite a circulação no tramo até La Cañada para os rebanhos.

As obras que têm obrigado a cortar o trânsito são parte do ramal sul de conexão da plataforma de alta velocidade ferroviária com a linha convencional que chega até à estação. A plataforma prolonga-se 2,7 quilómetros para entrar até à cidade, coneta com a via convencional entre os bairros deLa Cañada para os rebanhos e o condomínio de Serra de Pedro. Há uma conexão já feita dois quilómetros mais ao sul deste ponto, é uma solução provisória que permitiria cumprir com o acordo de que a conexão entre plataforma e a via atual esteja terminada antes do 31 de Dezembro.

Este falso túnel não estava no projeto inicial, mas incorporou-se após um modificado no projeto, uma mudança que se produziu para evitar que se pudessem causar danos na ponte sobre o caminho de ferro do caminho de Aldea Moret a Aldea del Cano, um elemento que está protegido no plano geral de urbanismo.

A previsão dada inicialmente por Adif era que todo o percurso, os 2,7 quilómetros, estaria terminado antes de fim de ano, mas ontem, no tramo mais próximo a Cáceres, só se via a aplanaçao do terreno, ainda não se tem colocado a plataforma, nem o balasto nem as vias, que já estão colocadas a dois quilómetros ao sul, donde tem arrancado o prolongamento da plataforma de alta velocidade ferroviária.

São umas obras que levam um atraso respeitado. É uma licitação que saiu a concurso faz mais de três anos e que se adjudicou em Janeiro de 2017 com um prazo de execução de doze meses, que está largamente superado após prolongar-se pelo modificado.

As notícias mais...