Menú

El Periódico Extremadura | Sexta-Feira, 28 de fevereiro de 2020

Cáceres, no ‘top’ das províncias com mais devoluções de Finanças

Os cacerenhos com direito a re-embolso recebem 517 euros, a média mais alta dos últimos anos. Os contribuintes têm percebido/recebido 67 milhões, um alta do 12,5% que a situam na quinta posição

LOLA LUCEÑO
14/01/2020

 

2019 não foi um mau ano para as relações entre os cacerenhos e o fisco. No fecho da Campanha de Rendimento 2018, que se iniciou em Abril de 2019 e que se deu por concluída no fim do exercício, a província se tem situado entre as cinco com um maior/velho incremento das devoluções por parte da Agência Tributária. Assim, os contribuintes cacerenhos receberam 66,9 milhões de euros de Finanças. Esta cifra supõe um notável aumento de 12’5% em relação à Campanha 2017, que re-embolsou 59 milhões de euros. Tão somente Melilla (18,9%), Ceuta (16,7%), Múrcia (12,9%) e Badajoz (13,4%) se situam à frente de Cáceres nesta alta nas devoluções.

Trata-se, além disso, da maior/velho subida que experimenta a província nos últimos anos. De facto, desde/a partir de 2012 a tendência foi negativa, isto é, as devoluções se reduziam cada ano em Cáceres, passando de 71 milhões na Campanha 2012 a 59,3 milhões na Campanha 2016. Já em 2017 se registou um leve promoção do 0,3%, que em 2018 se tem disparado ao 12,5%.

Na verdade, o aumento destes re-embolsos foi generalizado em toda a geografia nacional com uma média/meia do 8,8% (é superior em Guipúzcoa e Navarra, onde não obstante existe um regime tributário diferente).

Nomeadamente, na província cacerenha, Finanças tem realizado devoluções a 7 de cada 10 contribuintes durante o último ano. Obrigada/obrigado se apresentaram 185.257 declarações (um 3% mais que a campanha anterior), das que têm saído a devolver 129.392 (um 6% mais). As cifras finais melhoram mesmo as previsões da Agência Tributária, que em Abril passado calculava re-embolsar 65 milhões de {€} aos cidadãos (definitivamente foram 66,9). A média de dinheiro que tem regressado aos bolsos dos cacerenhos durante a Campanha 2018 se tem estabelecido em 517 {€} por declaração, uma quantidade/quantia que também supõe um respeitada promoção em relação à Campanha 2017, quando cada cacerenho com direito a devolução recebeu 487 {€}. Trata-se realmente da média/meia mais elevada dos últimos anos, já que em 2016 foi de 464 {€}; em 2015, de 477 {€}; em 2014, de 486 {€}; em 2013, de 490 {€}; e em 2012, de 487 {€}.

Neste balanço de fecho da Campanha 2018, com o 98% das devoluções já liquidadas, Finanças não oferece dados exatos relativamente aos cacerenhos que têm tido que pagar nas suas declarações. Mas em suas previsões de campanha calculava que uns 44.898 contribuintes da província teriam que pagar 52 milhões (uns 1.158 {€} em média). Também se esperava um ligeiro incremento das declarações negações (nem a ingressar nem a devolver), até as 13.400 (+0,9%).

No contagem geral do país, a Agência Tributária tem re-embolsado 10.209 milhões de euros a 14 milhões de contribuintes do IRPF 2018. A fecho de campanha, as devoluções têm crescido um 3,9% em relação às mesmas datas da campanha anterior, enquanto os montantes devolvidos aumentam um 8,8%. Obrigada/obrigado se apresentaram 20,6 milhões de declarações, um 3,5% mais que o ano anterior. Destaca o incremento registado no montante das declarações com resultado a ingressar (+15,5%), isto é, que têm que pagar a Finanças, um alta motivada principalmente por um forte aumento das lucros patrimoniais, segundo informa a Agência Tributária.

Como principal característica, a campanha concluída permitiu consolidar as duas vias não presenciais de apresentação de declarações, alternativas à web da agência. Por um lado, através da aplicação telemóvel se têm formalizado mais de 290.000 declarações, um 45,5% acima da campanha passada. Desse total, 221.000 são apresentações ‘num só/sozinho {clic}’ e o resto se correspondem com casos de contribuintes derivados à web da AEAT para realizar alguma modificação, que voltaram à ‘{app}’ para concluir a apresentação.

Por sua vez, também aumentam as declarações confecionadas telefonicamente pela Agência Tributária a cidadãos que têm concertado cita/marcação/encontro prévia para o plano ‘Lhe {Llamamos}’. Se apresentaram por esta via mais de 239.000 (um 33% mais que no passado ano).

MAIS RÁPIDA / O impulso dado às vias alternativas por internet ou ao telefone tem acelerado as declarações apresentadas no primeiro troço da campanha. Assim, antes de que {arrancara} a assistência nas escritórios, o 14 de Maio, já se tinham ultimado 574.000 mais que na campanha precedente.

Mas a Agência Tributária também manteve o serviço de atenção presencial em escritórios, nas que se apresentaram algo mais de 2,1 milhões de declarações, cifra muito similar à da campanha anterior.

As notícias mais...