Menú

El Periódico Extremadura | Segunda-Feira, 10 de dezembro de 2018

Os bares de Pizarro porão travão ao ruído vetando tirar as taças à rua

Os vizinhos/moradores não acreditam que seja algo «extraordinário» porque o que temos de fazer é cumprir com a lei. Cumprirão as limitações acústicas e o horário de fecho e colaborarão mesmo em tarefas de limpeza

MIGUEL ÁNGEL MUÑOZ
12/01/2018

 

Un acordo/compromisso por escrito/documento avaliza que os bares da rua Pizarro estão dispostos a pôr travão ao ruído. A Associação de Hotelaria Zona Pizarro Monumental, que preside Agustín Nieto, acaba de assinar o código ético elaborado pela Confederação de Empresários de Turismo da Extremadura ({Cetex}) no qual compromete-se a reduzir o ruído que gera sua atividade, através de medidas como fechar na hora que indica a lei e doutras práticas como impedir que se tirem as taças à rua, consciencializar aos clientes do problema que gera o ruído na rua ou atirar o lixo de forma rápida e silenciosa.

Trata-se de umas medidas às que se estão somando diferentes empresas relacionadas com o turismo de lazer noturno. «O sector gera um grande número de emprego em nossa região e queremos demonstrar nosso afã de colaborar com os vizinhos/moradores», disse ontem Nieto. «O fazemos em aras do interesse/juro geral e como meio para conciliar os diferentes interesses de empresariado e cidadãos residentes», acrescentou.

O código contempla, em primeira minuta, o cumprimento da legislação vigente, com especial atenção às limitações acústicas e o horário de fecho. A estes efeitos, se substituirão os limitadores de potencia e {sonómetros} obrigatórios nos equipas de música e megafones, que resultem obsoletos ou deficientes, por outros de nova geração.

Além disso, se colaborará com os serviços de limpeza de apoio para o asseio de portais e locais anexos aos locais comerciais e, muito especialmente, se observará o regulamento sobre/em relação a o asseio do espaço público destinado à instalação de veladores.

Na medida do possível se levar a cabo o armazenagem de sólidos dentro do próprio local, adequando sua extração e depósito dentro dos pertinentes contentores em horário que menos {perturbe} o descanso/intervalo dos residentes e fazendo-o de modo rápido e o mais silencioso possível. O código insiste em que «de maneira nenhuma se depositarão resíduos na via pública, sempre que existam fisicamente contentores na via pública para seu depósito».

Não obstante, para que esta correção resulte verdadeiramente eficiente nas zonas afetadas por poluição acústica, o código considera que se faz necessária a participação ativa da Câmara Municipal, para que flexibilize e estabeleça nestas zonas sensitivas os sistemas e horários de limpeza e de recolhida de resíduos, tendo como objetivo não somente o cumprimento de seu serviço mas também o descanso/intervalo dos residentes.

Os hoteleiros realizarão, igualmente, um esforço em consciencializar aos clientes do problema que gera o ruído na via urbana. A tal efeito, atenderão ao Direito de Admissão nos casos mais graves e inclusivamente irão à autoridade competente com o fim de proteger a ordem pública. O pessoal de segurança de cada local será partícipe de tal recomendação.

Também, não se facilitará, «de maneira nenhuma, a consumo de bebidas fora de estabelecimento. Fica proibido o transvase de bebidas a recipientes de plástico». Para quem fora de aplicação, se respeitará a todo o momento o horário e número de veladores autorizados por licença, bem como o de cadeiras e o espaço público delimitado a tal efeito, tentando, de modo muito especial, que sua instalação não suponha uma barreira inacessível às pessoas com mobilidade reduzida.

Além disso, formarão a seus empregados em matéria de proteção ambiental e na recolhida de veladores e resíduos de forma silenciosa. «Seremos nossos próprios observadores para o cumprimento deste código ético, contando com o apoio da de Confederação Empresarial de Automóveis da Extremadura», insiste o decálogo.

Igualmente, asseguram que se distinguirão publicamente com {cartelería} ou similar que mostrarão em lugar visível no exterior dos negócios, para reconhecimento público, da autoridade e da cidadania em geral, a qual também poderá servir de observadora no cumprimento dos pontos comprometidos.

Nieto enfatiza que todos os acordos expostos são só/sozinho e exclusivamente dos empresários que pertencem ao grupo de lazer noturno, associado à Confederação Empresarial de Turismo da Extremadura ({Cetex}), «que é a única interlocutora válida para mediar em tudo e com todas as partes interessadas».

Por seu lado, Pepa Bargón, presidenta da Associação de Vizinhos/moradores Pizarro Monumental, considera uma «boa declaração de intenções» a dos hoteleiros, embora com reservas. Explica que com estas medidas, os responsáveis dos bares «não estão a fazer nada extraordinário salvo cumprir a lei, uma obrigação de todos os cidadãos». Bargón lamenta que especialmente com a chegada do bom tempo são contínuas as queixas por ruído.

As notícias mais...