Menú

El Periódico Extremadura | Domingo, 26 de janeiro de 2020

Uma igreja que se conserva como no século XVIII

Mais de 300 pessoas participaram ontem na visita de Amigos de Badajoz ao convento das {Carmelitas}

A. M. ROMASANTA badajoz@extremadura.elperiodico.com BADAJOZ
08/12/2019

 

Começou a construir-se até 1731 e se conserva como em suas origens, com toda sua decoração barroca do século XVIII, carregada de pinturas murais, grinaldas, {medallones} e elementos vegetais, embora ao longo/comprido da sua história tem incorporado alguma imagem mais recente. Trata-se de a igreja do convento das {Carmelitas} situado entre as rua López Prudencio e Arco Agüero, que ontem puderam conhecer à volta de 300 pessoas na visita guiada organizada pela associação Amigos de Badajoz, a aqueles que abriram as suas portas as doze religiosas que vivem em encerramento/encerra. «É a única igreja que se conserva em Badajoz original em seu conjunto/clube e é uma jóia para restaurar-la e mantê-la», destacou o guia, o historiador local Álvaro Meléndez.

O Mosteiro de Nossa Senhora dos Anjos tem sua origem em 1644 quando um grupo de mulheres começou a reunir-se para a oração. Eram as arrependidas de São Antonio, às que o bispo Marín de Rodezno pediu em 1688 que recolhessem os meninos exceleiros que se abandonavam a sua sorte naquela época de guerras com Portugal. Em 1719 se organizaram como {beatorio}. A igreja começou a levantar-se com o tenente-general Alonso de Escobar e seu grande protetor foi o bispo Amador Merino Malaguilla, que deu as regras do {Carmelo} em 1733 e comprou 15 casas para construir o convento.

Entre as pinturas de seus muros, Meléndez destacou as que narram a vida de Santa Teresa de Jesús, de Francisco Javier Mures Becerra. O guia explicou também que sendo a Virgem do Carmen patrona do mar, há detalhes dos oferecimentos daqueles que tinham cruzado o Atlántico, como uma cadeira de madeira de barco ou os rostos de indígenas nos perfis dos retábulos de Santa Teresa de Lisieux e da Virgem do Carmen. Histórias por descobrir que requerem deter-se em mais duma visita.

As notícias mais...