Menú

El Periódico Extremadura | Quarta-Feira, 17 de janeiro de 2018

O Sorteio de O Menino deixa 150.000 {€} em Badajoz e Puebla de Obando

Dois irmãs da localidade de Badajoz ganham 75.000 {€} com um décimo do 18.442 . O outro foi vendido numa loja da rua Manuel Godoy, em São Fernando

B. C. badajoz@extremadura.elperiodico.com BADAJOZ
07/01/2018

 

O Sorteio de O Menino não foi generoso com Extremadura, mas em Badajoz e em Puebla de Obando deixou um beliscão de 150.000 euros como presente de Reis. Foi com dois décimos do número 18.442, correspondente ao segundo prémio,. Um deles se vendeu numa loja de imprensa e {chucherías} da rua Manuel Godoy, no bairro de São Fernando, e outro, no bar O Passo da localidade de Badajoz. 75.040 euros se levaram os afortunados

Em Puebla de Obando, as condecoradas foram María e {Inmaculada}, dois irmãs que dirigem um supermercado no município. Adquiriram seu décimo na terminal do bar de Antonio Franco, conhecido como Bilha, que ontem não ocultava sua alegria por ter levado a sorte a seu povo/vila. «Me sinto como se me tivesse tocado a mim», assegurava. Aos sábados descansa e é sua filha a que fica à frente do negócio, a onde chamaram desde Lotarias e Apostas do Estado para comunicar-lhes a notícia.

«Estava dormindo e me têm despertado para avisar-me», explicou Antonio ao telefone. O bar se tinha enchido de vizinhos/moradores que o felicitavam a ele quase tanto como às irmãs vencedoras. «Agora me podem chamar Bilha de Ouro», dizia entre risos este hoteleiro, que já em Novembro do ano passado deu um prémio de mais de 41.000 euros no sorteio da {Bonoloto}, também a dois irmãos.

A sorte chegou a Puebla de Obando e uma vizinha desse município a trouxe a Badajoz. É que acontece que María José Méndez, titular do ponto de venda da rua Manuel Godoy de Badajoz, onde se vendeu o outro décimo premiado com 75.000 euros, é natural desta localidade de Badajoz. Juntamente com o seu marido, suas filhas, que atendem o negócio, e suas netas celebrou ontem este prémio, que chega tão somente três meses depois de/após que se tenham posto à frente do mesmo após um transferência/trespasse/passagem.

«Muitas pessoas nos disse que tinha a palpite de que {íbamos} a dar um prémio», contavam María José e suas filhas, María Eugenia e Consolo Santos. «Estamos nervosas, mas muito contentes e muito iludidas», diziam.

María José pensa que foi ela a que vendeu ontem à tarde o décimo premiado, mas sua filha Consolo acredita que foi ela a que se o entregou ao afortunado ou afortunada, do qual não se sabia nada ainda. Ambas estavam convencidas de que a pessoa condecorada vive no bairro, o que ainda lhes alegrava mais.

«Nos prometeram viagens, cruzeiros e presentes se lhe dávamos o prémio, mas com que o vencedor venha e nos diga que lhe tem tocado estamos satisfeitas», comentava María Eugenia, que {anmaba} a sua família para celebrar este golpe de sorte indo-se a comer fora todos juntos.

«Isto é um bom presente de Reis», repetiam, ao passo que confiavam em que este prémio beneficie a seu negócio e aumentem os clientes. Ontem foram muitos os que aproximaram-se até ao estabelecimento para felicitar a suas proprietárias e, de passagem, pôr a prova sua sorte.

O segundo prémio do Sorteio de O Menino esteve muito repartido, com condecorados em numerosos municípios de Asturias, {Tenerife}, Vitória, Madrid, Málaga, Barcelona, Valência, Zaragoza, Granada, Pontevedra, Múrcia, Alicante ou {Gupúzcoa}, entre outros.

As notícias mais...