+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

Podemos denúncia que Cs o «desaloja» de seu atual gabinete

{Gragera} defende que é um transferência em função da representação

 

{Erika} Cadeias, ontem, no gabinete que se nega a abandonar. - S. GARCÍA

A. M. ROMASANTA BADAJOZ
04/02/2020

Avecina-e despejo no interior do Câmara Municipal De Badajoz. O grupo municipal de Unidas Podemos recebeu ontem uma resolução, assinada por Ignacio Gragera em qualidade de «presidente da Câmara Municipal acidentado», para comunicar-lhe que tinha 24 horas para abandonar o gabinete que ocupa na primeira planta do palácio consistorial desde o início da legislatura e que é o que utilizava Recuperar Badajoz na anterior. O escrito insta a mudar-se a outro gabinete, de menores dimensões, que foi habilitado/tesoureiro recentemente na mesma planta e motiva a decisão em «os níveis» de representação política. Na anterior legislatura Podemos tinha 3 vereadores e agora um.

Este escrito chegou após que a porta-voz, Erika Cadeias, denunciasse em conferência de imprensa que seu grupo ia ser «desalojado» por PP e Cs. Cadeias explicou que o 21 de Janeiro receberam uma notificação do presidente da Câmara Municipal Francisco Javier Fragoso para que abandonassem seu atual gabinete antes do dia 31, mas o tinham impugnado porque a decisão não estava motivada e por considerar que se vulnera o «legítimo direito a realizar o trabalho municipal». Segundo explicou, Cs ia a ocupar a nova dependência recém habilitada, mas «não deve ser de seu agrado» e agora quer que o faça Podemos, quando os quatro vereadores da formação laranja já contam com seus próprios espaços por suas responsabilidades de governo. Em Podemos não entendem além disso «tanta pressa» quando, por outro lado, agora é possível que o vereador de Vox se converta em não inscrito e seu atual gabinete se fique vazio.

O último escrito/documento que recebeu ontem Podemos respondia a sua impugnação, mas Cadeias reiterou que não estão dispostos a mudar-se e que voltarão a recorrer. Cs não tardou em responder a estas acusações por meio de um comunicado, no qual esclarecia que não se trata de um «evacuação» mas de um «simples transferência» e que o que faz é exercer seu direito de ter sítio como grupo municipal, pois atualmente exerce sua atividade no qual ocupa Gragera como primeiro tenente de presidente da Câmara Municipal, um cargo de índole institucional. Em Cs surpreende que um partido que «antes falava de tomar as ruas para mudar as imperfeições da velha política, uma vez que está dentro das instituições públicas se aferre aos gabinetes», bem como lhe afeia que equipare a ação política e os valores democráticos «aos metros quadrados de um gabinete».

TEMAS LOCAIS / Por outro lado, a porta-voz de Podemos também denunciou que os grupos com maior/velho representação pretendem «coartar» a liberdade e autonomia de Podemos com a moção que Cs apresentou no plenário para que não se debatam assuntos que não tenham que ver com os interesses locais. Cs respondeu que o que pretendem é «centrar» os debates políticos e que as declarações de Cadeias respondem «a uma exibição de vitimismo injustificado».