Menú

El Periódico Extremadura | Sábado, 25 de janeiro de 2020

«Há táxis interessados, mas adaptar um eurotáxi é muito caro»

O coordenador deste serviço em Badajoz explica porque é que não há mais. O vereador da área compromete-se com Apamex a procurar uma solução

A. M. ROMASANTA lcb@elperiodico.com BADAJOZ
14/01/2020

 

El Real Decreto 1544/2007 de 23 de Novembro, que regula as condições básicas de acessibilidade e não discriminação no uso dos meios de transporte para pessoas com deficiência, estabelece que o número mínimo de eurotáxis nos municípios com mais de 50.000 habitantes deveria ser o 5% de sua frota de táxis. A Badajoz lhe correspondem entre 7 e 8 e na atualidade funcionam 6, segundo o coordenador deste serviço, Francisco González Molina, que manifesta que embora há companheiros/colegas que estão interessados em adaptar seus veículos para que sejam acessíveis, o problema é que «as adaptações são muito caras e o investimento é grande, é uma asneira o que pedem». E isso apesar de que reconhece que com o eurotáxi «se ganha mais» porque «não {paras} em toda a amanhã». El principal inconveniente é o desembolso inicial, pois à licença temos de somar o custo da adaptação.

Os eurotáxis se diferenciam do resto em que contam com uma rampa, um sistema de {anclajes} e espaço suficiente para uma cadeira de rodas. Francisco González explica que a adaptação depende do tamanho do veículo, pois nos pequenos temos de cortar/fechar o chassi para meter um gaveta para a rampa e portanto é mais cara. As despesas podem oscilar entre 6.000 e 13.000 euros, em função das dimensões do táxi. Na sua opinião, o problema reside em que os preços que se recebem por qualquer adaptação para usuários deficientes são «excessivos» e a este investimento temos de somar as despesas para tramitar a homologação, que podem rondar os 3.000 euros. Para este táxi, que a Câmara Municipal De Badajoz estabeleça uma linha de ajudas poderia ser uma solução.

A associação de pessoas com deficiência APAMEX voltou a insistir estes últimos dias na Câmara Municipal pela escassez de eurotáxis na cidade, da que vem queixando's desde/a partir de o 2017. Seu presidente, Jesús Gumiel, se entrevistou ontem com o vereador de Transporte Público, Jesús Coslado, que comprometeu-se a reunir-se a final de mês com os táxis para procurar uma solução. Para além de estabelecer uma linha de ajudas, Apamex propõe como segunda opção outorgar novas licenças condicionadas a que os titulares contem com eurotáxis, amparando-se no regulamento que desenvolve a Lei de Acessibilidade da Extremadura.

As notícias mais...