Menú

El Periódico Extremadura | Terça-Feira, 11 de dezembro de 2018

{Fragoso} reclama que se orçamentem as autoestradas de Cáceres e de Olivença

{Echa} em falta que se concretizem investimentos em colégios e institutos e para a plataforma única. O presidente da Câmara Municipal solicita além disso verbas/partidas para a residência de maiores/ancianidade prometida por {Vergeles}

A. M. ROMASANTA
13/01/2018

 

O presidente da Câmara Municipal de Badajoz, Francisco Javier Fragoso, {echa} em falta nos orçamentos regionais -que se debatem na próxima segunda-feira na Asamblea de Extremadura- investimentos para a cidade, muitas das quais respondem a compromissos do Executivo autonómico que não se têm materializado nas contas de 2018 e que o PP espera retificar através de emendas de seu grupo parlamentar. Fragoso compareceu ontem para fazer fincapé nas que afetam a Badajoz e para as que solicitou «a {complicidadad}» dos porta-vozes municipais do PSOE e de Podemos «para que façam refletir a seus partidos». Entre elas destacou dois emendas «irrenunciáveis», as referidas à autoestrada de Cáceres e de Olivença, para as que o PP apresenta dois emendas de 100.000 euros, que permitiriam elaborar os projetos para poder/conseguir licitar-les com posterioridade.

Segundo o presidente da Câmara Municipal, estas dois infraestruturas são «{imprescidibles} para Badajoz», que necessita conexão direta com Cáceres, que por sua vez a requer com Lisboa, mais necessária ainda com a posta em marcha da Plataforma Logística. Recordou que já se fez o estudo das alternativas e somente pede uma verba/partida que permita contratar já o projeto. Quanto à autoestrada de Olivença, defendeu sua importância fundamentalmente por motivos de segurança via, por seu elevado índice de acidentes. Segundo o presidente da Câmara Municipal de Badajoz, esta estrada é «possivelmente a via convencional da comunidade autónoma com maior trânsito». Na sua opinião, é hora já de que a Junta comece a procurar fundos para estas dois autoestradas.

Por outro lado, recordou que existem outros investimentos pendentes que foram solicitadas por unanimidade pelo plenário/pleno municipal e que não foram orçamentadas. Concretamente, mencionou a construção duma nova lar da terceira idade, à que comprometeu-se o conselheiro de Saúde, José María Vergeles, numa visita à Câmara Municipal, para além da alargamento de A Granadilla. O PP apresenta uma emenda para que se destinem 100.000 euros à realização do projeto, pois «não há nem um euro» para esta atuação. Outros 200.000 euros se destinariam à regeneração e acessibilidade do bairro de As 800, para o qual a Junta encarregou um projeto a «urbanistas de prestígio», mas não há fundos com os que {materiarizarlo}. O presidente da Câmara Municipal assinalou que se tanto/golo preocupa ao PSOE e a Podemos a situação deste bairro, na segunda-feira seus deputados deveriam votar a favor desta emenda.

Também pede o presidente da Câmara Municipal que se expressem no orçamento regional investimentos educativos que não se concretizam, embora possam fazer parte de verbas/partidas genéricas. Fragoso quer que se recolham as referidas à construção da escola de Cerro Gordo, o centro especial de Los Ángeles, o alargamento e unificação de salas de aula do instituto/liceu São Fernando, a escola Santo Tomás de Aquino e a Escola Oficial de Idiomas, cujo transferência se acordou ao prédio do Hospital Provincial. Por pedir que não fique. O PP tem redigido outra emenda para que Badajoz receba 400.000 euros que se destinarão a alargar a plataforma única, em compensação pelas ajudas que se perdem desde que deixou de ser Zona de Grande Afluência Turística.

Fragoso exige além disso à Junta que destine 100.000 euros para melhorar o firme/assine do tabuleiro da ponte Real, que é o troço que lhe corresponde.

Também apresentarão outras emendas para a criação de um sala de aula de Ensino secundário especializando para transtorno autista, 100.000 euros para o Banco Alimentar e ajudas para Cáritas, a Irmandade de Dadores de Sangue, Nova Vida e Associação Espanhola Contra o Cancro.

O PP recorda à Junta que tem que incrementar sua contribuição à reabilitação da Alcazaba. O presidente da Câmara Municipal recordou que existe um convénio a três partes pelo que o Governo central dá o 50%, um 25% a Câmara Municipal e outro 25% a Junta de Extremadura. Mas a única administração que está abaixo na investimento realizado é a autonómica. Fragoso reclama que «demonstre seu acordo/compromisso» com a Alcazaba e orçamente 200.000 euros. Também não, segundo o presidente da Câmara Municipal de Badajoz, se previu uma verba/partida para a nova Faculdade de Medicina e pede 300.000 euros com um crédito de 2 milhões largos em futuros orçamentos.

Por último, o PP reclama outros 100.000 euros, dentro de a verba/partida de estudos e trabalhos técnicos, para uma campanha de luta contra o {picudo} vermelho, que está atacando às palmeiras.

As notícias mais...