Menú

El Periódico Extremadura | Domingo, 20 de outubro de 2019

Cs não se opõe a que {Fragoso} concilie a presidência da câmara municipal com o Senado

Según o sócio do PP, não é o caso de Nevado, pois não açambarca poder/conseguir mas assegura seu futuro. A {Gragera} sim lhe preocupa que o presidente da Câmara Municipal possa compatibilizar três cargos e diz que ele não o faria

A. M. ROMASANTA lcb@elperiodico.com BADAJOZ
09/10/2019

 

El pacto de governo assinado no Câmara Municipal De Badajoz entre o PP e Ciudadanos não corre perigo, nem se {tambalea} sequer, pela decisão do atual presidente da Câmara Municipal, o popular Francisco Javier Fragoso, de ir às eleições legislativas encabeçando a lista do seu partido ao Senado. Ao contrário, segundo o grupo municipal da formação laranja, este passo de Fragoso dá «estabilidade» ao pacto de alternância na presidência da câmara municipal, que «muitos» punham em dúvida e demonstra que o PP cumprirá sua palavra, se em Ciudadanos não o tinham muito claro.

Nem o grupo municipal de Cs nem sua direção regional quiseram ontem fazer declarações para valorizar esta decisão e se limitaram a um comunicado, no qual se remeteram ao acontecido no Ayuntamiento de Cáceres onde, à diferênça de Badajoz, esta formação exigiu à presidenta da Câmara Municipal popular Elena Nevado que abandonasse seu cadeira na Câmara Alta. Cs aduz que Cáceres e Badajoz «são casos diferentes que se produzem em circunstâncias completamente diferentes». Según o porta-voz municipal de Cs, Ignacio Gragera, as aspirações de Fragoso não só/sozinho são «legítimas», mas o que está procurando é uma «alternativa a curto prazo para seguir/continuar na política após deixar a Presidência da câmara municipal de Badajoz» e além disso, em caso de resultar escolhido o 10 de Novembro, a simultaneidade de ambos cargos seria «transitória». Según Gragera, «há uma lógica detrás de esta decisão que nada tem a ver com a intenção de açambarcar poder/conseguir, como sim {entendimos} que acontecia no caso de Elena Nevado», pois o que está a fazer Fragoso é «pensar em seu futuro», algo que para os seus sócios de governo é «algo lícito e respeitável».

Mas não tudo são {palmaditas} nas costas. Ao mesmo tempo Cs pôs em dúvida que Fragoso possa conciliar todos os cargos que agora ostenta sem que se {resienta} a atenção à cidade como presidente da Câmara Municipal. Assim, embora o grupo municipal de Cs não lhe pede abertamente que deixe a Diputación de Badajoz em caso de resultar escolhido senador, Gragera sim se fez eco da «preocupação» do seu partido por que tantas responsabilidades «possam diminuir sua capacidade e sua ação de governo» como presidente da Câmara Municipal. «Por uma simples questão de agenda, parece-nos que são três cargos que dificilmente se poderiam conciliar», enfatizou, ao passo que Gragera advertiu de que ele não {simultanearía} estes três postos. «A cidade não pode ver-se afetada pela possibilidade de que Fragoso deva conciliar suas responsabilidades de presidente da Câmara Municipal com os cargos no Senado e na assembleia provincial», sublinhou.

{VOX} /El terceiro sócio do governo municipal, no entanto, não entrou em divagações. El vereador de {Vox}, Alejandro Vélez, se limitou a assinalar que «{respetamos}» a decisão de Fragoso, em tanto/golo que não se trata de uma ilegalidade. «Não temos nenhum inconveniente nem nada que {objetar}, pois além disso não é a primeira vez», disse em referência a que o anterior presidente da Câmara Municipal do PP, Miguel Celdrán, também foi senador. Vélez argumentou que nunca chova a gosto de todos, pois umas vezes se critica que se deleguem funções entre demasiados responsáveis e outras, como agora, que se concentrem numa mesma pessoa.

Nesta última postura se situa o grupo municipal de Unidas Podemos. A sua vereadora, {Erika} Cadeias, já lhe parece «uma partida» que Fragoso seja «um presidente da Câmara Municipal alternado», com o qual, que a suas funções de deputado provincial queira somar além disso as de senador «é muito pouco/bocado sério» e demonstra «pouco/bocado interesse/juro pela cidade e seus cidadãos, aos que deveria dedicar-se em exclusiva». Unidas Podemos não partilha a acumulação de cargos numa mesma pessoa, pois choca com sua forma de entender a política.

El que ainda não falado foi Fragoso, que ontem remeteu a uma conferência de imprensa que oferecerá hoje junto ao candidato do PP ao Congresso, Víctor Píriz. Também não o porta-voz municipal socialista, Ricardo Cabezas, quis pronunciar-se. Sim fê-lo a porta-voz do PSOE na Assembleia, Lara Garlito quem, a perguntas da imprensa, manifestou que parece que Fragoso «está mais preocupado por ir-se embora que por ocupar-se» das necessidades de Badajoz e criticou que «coxa o veículo de saída» do Senado «sem saber quais são suas prioridades».

Se Fragoso chega ao Senado, deixará de perceber/receber seu salário da Câmara Municipal (4.764 euros brutos por 14 ordenados) e passará a receber da Câmara Alta, que lhe pagará 2.813 euros brutos ao mês (também 14 ordenados) mais 1.822 por representar a uma circunscrição fora de Madrid.

As notícias mais...