+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

A Câmara Municipal designa a três carnavalescas para dar o pregão

As pregoeiras pertencem aos coletivos mais representativos: comparsas, murgas e artefactos. As escolhidas são Alexia Sánchez, Tamara Polido e Pepa Montesinos, que farão um discurso conjunto

 

{Tamara} Polido, Lara Montero de Espinosa, Pepa Montesinos e {Alexia} Sánchez, ontem. - S. GARCÍA

B. CASTAÑO
04/02/2020

Não será um famoso  quem neste ano dê o tiro de partida ao Carnaval de Badajoz como ocurreu nas últimas edições, mas as escolhidas são três carnavalescas «de toda a vida» que fazem parte dos coletivos mais representativos desta festa: comparsas, murgas e artefactos. Assim, o próximo 21 de Fevereiro se subirão ao varanda da Câmara Municipal Alexia Sánchez, presidenta da Federação de Associações do Carnaval De Badajoz (Falcap) e membro da comparsa Umsuka-Imbali; Tamara Polido, componente da murga As Chimixurris e da diretiva da Federação de Murgas de Badajoz; e Pepa Montesinos, vicepresidenta da Federação Extremenha de Artefactos e integrante de Deskrria.

A sua designação como pregoeiras do Carnaval 2020 a deu a conhecer ontem de manhã a vereadora de Festejos, Lara Montero de Espinosa, quem destacou a implicação destas três mulheres com a festa, seu «luta» por fazê-la cada vez mais grande e sua valentia por assumir postos de responsabilidade nas federações às que pertencem. A vereadora recordou que um dos seus propósitos quando chegou a esta delegação era que o pregoeiro fosse alguém que levasse o Carnaval «na sangue» e que a decisão não foi fácil, dado que são muitos aqueles que demonstram durante todo o ano seu amor e paixão por esta festa. «Foi muito difícil, mas nós estamos muito orgulhosos das pessoas que vão ser as pregoeiras e esperamos que a cidade também o esteja», disse.

As três mostraram-se «muito orgulhosas» de ter sido designadas para esta tarefa, embora reconheceram sentir também certo temor pela responsabilidade que implica. «É uma alegria imensa para qualquer carnavalesco dar o pregão da festa maior e estamos encantadas, mas também nervosas», confessou Tamara Polido. A murguera das As Chimixurris, primeira agrupamento feminina que tem conseguido chegar a a final do Concurso Oficial de Murgas de Badajoz (Comba), agradeceu à Pelouro de Festejos que tivesse pensado nelas para abrir os carnavais, embora considerou que só são as «cabeças visíveis» dos milhares de carnavalescos aos que representarão desde a varanda da Câmara Municipal.

Apesar de que não quiseram revelar nenhum detalhe, as pregoeiras explicaram que já estão «cozinhando» o seu discurso no qual, embora cada uma terá o seu momento para «engrandecer» aos coletivos dos que fazem parte, será conjunto «para que todos os carnavalescos se sintam identificados», apontou Alexia Sánchez, primeira mulher em presidir a a Falcap e em ser escolhida Candelera na festa de As Candelas de Santa Marina, celebradas o passado sábado.

Pelo seu lado, Pepa Montesinos, que começou a sua trajetória carnavalesca nas comparsas, mas que finalmente encontrou seu lugar nos artefactos (primeiro com Waltrapas e depois com Deskrria2), comentou que com suas fantasias também homenagearão aos coletivos que representam.

Nos últimos anos, os honorários dos pregoeiros têm suscitado certa polémica, as deste ano não receberão remuneração, mas uma placa e um presente como lembrança.