+
Accede a tu cuenta

 

O accede con tus datos de Usuario El Periódico Extremadura:

Recordarme

Puedes recuperar tu contraseña o registrarte

 
 
 

Cabeças denunciará a Fragoso se o grupo de Vox segue/continua recebendo

Do Moral critica que {Vélez} «retenha a ata com apoio do PP e Cs»

 

Ricardo Cabezas, ontem. -

REDACCIÓN/EUROPA PRESS
12/03/2020

O porta-voz socialista no Câmara Municipal De Badajoz, Ricardo Cabezas, anunciou ontem que denunciará ao presidente da Câmara Municipal, Francisco Javier Fragoso, por prevaricação e má gestão dos fundos públicos se os «excargos» de Vox «recebem um só/sozinho euro da Câmara Municipal».

Assim o avançou numa conferência de imprensa na qual também assegurou que o PSOE tem dirigido escritos/documentos por registo à Secretária Geral da Câmara Municipal pedindo um relatório/informe sobre a situação de «inatividade» do presidente da Câmara Municipal em relação à expulsão de Vox do vereador Alejandro Vélez. Também, se tem dirigido à Intervención e à Tesouraria Municipal para impedir «pagamentos indevidos aos excargos de Vox» por carecer de grupo municipal desde/a partir de o 27 de Fevereiro, data na qual Vox informou à Câmara Municipal de que o Comité de Garantias confirmava a expulsão de Vélez, e igualmente diante da Assessoria Jurídica.

Por outro lado, os socialistas informaram ao Tribunal de Contas. Cabezas advertiu de que «se sai um euro deste Câmara Municipal em pagamento a pessoas que já não devesse estar neste consistório, que não lhe caiba dúvida a ninguém de que automaticamente {denunciaremos} ao presidente da Câmara Municipal por má gestão dos fundos públicos e por prevaricação ao adotar uma resolução injusta com conhecimento de causa de que o é».

Por seu lado, o grupo municipal de Unidas Podemos riscou de «vergonhoso exercício de {malabarismo} político» a «{inoperancia}» do presidente da Câmara Municipal no caso do vereador de Vox, um proceder que segundo esta formação «pode pôr em causa à própria instituição municipal». Unidas Podemos coincidiu com o PSOE em que «seguir/continuar dotando economicamente a um grupo político que já não existe e seguir/continuar pagando a um secretário e a um assessor sem grupo, poderiam constituir factos/feitos muito graves». Assim, esta formação apontou que Vélez deve passar a ser vereador não inscrito e se o PP e Cs persistem em mantê-lo como delegado de Limpeza, estarão incumprindo o pacto {antitransfuguismo} que o próprio PP assinou e que «Fragoso aplicou sem considerações no caso de Luis García-Borruel», porta-voz de Ciudadanos a passada legislatura.

Sobre a situação do grupo municipal também realizou manifestações em sua conta de Twitter o deputado de Vox por Badajoz Víctor Sánchez del Moral, quem acusou a Vélez de «reter a ata por seu próprio interesse/juro, apoiado por PP e Ciudadanos». Do Moral criticou que estes dois partidos «lhe mantenham seu ordenado e prebendas bem como a de seu avolumado plantel/elenco de assessores libertados», incorrendo «no que proíbe a lei sobre/em relação a trânsfugas».