Menú

El Periódico Extremadura | Segunda-Feira, 25 de septembro de 2017

O gelo derrete ao calor

As altas temperaturas disparam a venda de gelo enquanto o consumidor já sabe diferenciar entre o que é de qualidade e o que não H Gelos O Danúbio distribui um milhão de sacos ao ano desde o 2007

RODRIGO CABEZAS prov-badajoz@extremadura.elperiodico.com ALMENDRALEJO
24/08/2017

 

A partir de esta quinta-feira, o tempo voltará a dar um ligeira pausa com uma pequena descida das temperaturas. Especialmente na região de Terra de Lamas, onde não há relógio que desça dos 40 graus nos últimos dias. Para a maioria dos negócios, o calor se relaciona com perdas. Já seja em consumo de ar condicionado ou na necessidade de encurtar a jornada laboral. Mas há quem sabe impor-se a este calor: o gelo.

Em Almendralejo, desde há mais de 30 anos, encontra-se uma das empresas de gelo mais importantes da região como é Gelos El Danúbio. Foi fábrica durante muito tempo, embora agora é distribuidora de {Procubitos}, o maior fabricante de gelo na Europa com enclaves em {Cebreros} (Ávila) e São Roque de Cádiz. Neste ano, o gelo, volta a aumentar suas vendas. «Está claro que o consumo é maior. Primeiro, pelo impulso da pessoas, sufocada pelo calor. E também porque se consome mais». Jesús González, gerente de Gelos El Danúbio, tem claro que «as altas temperaturas aumentam as vendas, mas também não nos interessa um verão muito louco, já que se produzem bagunças na organização e na distribuição».

Gelos El Danúbio distribui em torno de 5.000 sacos ao dia em tempos de verão, concentrados nos meses de Julho e Agosto. González assinala que «nestes dois meses {llegamos} quase ao 40% do total das nossas vendas anuais. El gelo é um negócio que nos primeiros meses do ano pode ter perdas, mas logo remonta claramente».

El Danúbio reparte em torno de um milhão de sacos anuais desde o ano 2007, isto é, desde que se {adherieron} a {Procubitos}. Antes tinham instalado uma fábrica que produzia uns 40.000 quilos de gelo diário/jornal, «mas {Procubitos} nos oferecia uma melhor tecnologia como o corte do gelo, o túnel de frio ou as {cribadoras} para ver sempre o gelo liso. Foi para melhorar».

Esta empresa familiar conta com dez distribuidores por toda a região, dois deles trabalhando de forma direta para esta firma/assinatura/assina. Conta com distribuidores em Almendralejo, Don Benito, Coria, Arroyo de la Luz e Madrigalejos. A estas alturas de Agosto já têm repartido mais de 150.000 sacos em 24 dias, vaticinando um dos meses de maiores/ancianidade vendas dos últimos anos.

Referência

Em Almendralejo é muito comum a expressão de «o gelo que seja do Danúbio», pela {vitola} criada desde há tantos anos. «É nossa referência, o ter dado um produto de qualidade, acima mesmo do preço». Jesús González assegura que se dirigem a tudo tipo de públicos, mas que sempre estiveram muito preparados para a hotelaria mais profissional e os bares e discotecas mais importantes.

Em relação ao preço, indica que nos últimos anos a margem de benefício se tem visto reduzido por uma guerra similar à do pão. «El gelo tinha um bom margem, mas se tem prostituído durante os últimos anos. Há pessoas que, por meter a cabeça no negócio, têm comprado o gelo para vendê-lo mais barato e com margens ridículos. No gelo, o produto em si é o que menos subida. O que mais vale é o embalagem e conservá-lo, sobretudo. Vender gelo com pouca margem, no fim, provoca que se perca dinheiro».

Por isso, enquanto o calor aperta e as pessoas se incomoda, o gelo vive seu Agosto.

As notícias mais...