Menú

El Periódico Extremadura | Sexta-Feira, 17 de janeiro de 2020

Aprovados 83.655 euros para o pagamento de faturas ainda sem liquidar

O PSOE se queixa de que falta crédito para algumas verbas/partidas orçamentais. Há 28 por valor de 7.089 euros do exercício de 2018 e de anos anteriores

RODRIGO CABEZAS
02/12/2019

 

O plenário/pleno da corporação de Almendralejo, em sua sessão de Novembro, tem aprovado, com o voto a favor de todos os grupos políticos (Jogo/partido Socialista, Partido Popular, Ciudadanos e Vox), a resolução e levantamento de dois notas de inconveniente que foram emitidas pela Intervención Municipal, com o objetivo de pagar faturas atrasadas da Câmara Municipal com fornecedores por um valor de 83.655 euros.

A resolução da primeira nota de inconveniente, que leva preparada a aprovação de um processo de reconhecimento extrajudicial de crédito, faz referência a 28 faturas que correspondem a despesas produzidas no exercício 2018 e anteriores por montante de 7.089 euros, segundo explicou a delegada de Finanças da Câmara Municipal, Juliana {Megías}. Em sua exposição, a vereadora socialista disse que não se podiam pagar até que não se levantasse o inconveniente de Intervención, motivo pelo qual se inicia este processo de reconhecimento extrajudicial de créditos, o qual «serve para realizar os trâmites oportunos para pagar estas faturas». O presidente da Câmara Municipal José María Ramírez esclareceu que são faturas de anos anteriores que se registaram em 2019 e que têm que pagar-se «porque não se pode demorar mais estes pagamentos a fornecedores».

A resolução da segunda faz referência a 49 faturas por um montante de 76.566 euros. Neste caso, são deste, que não têm crédito orçamental e que obedecem a despesas necessárias para o funcionamento da Câmara Municipal.

sem créditos / Raquel del Puerto, porta-voz socialista, assinalou que quando a equipa de governo chegou à Câmara Municipal «nos {encontramos} com uns desequilíbrios orçamentais em 84 verbas/partidas, na sua maioria de fornecimentos», e acrescentou que algumas de créditos estavam inicialmente em negativo como são as relativas à compra de material treinador para a policia municipal, produtos de limpeza ou materiais para os escritórios. Além disso, destacou que é um problema «sobrevindo» que tem sua origem nas prorrogações orçamentais do anterior plantel/elenco de governo. Juan Arias, de Ciudadanos, também disse que tinha verbas/partidas orçamentais cujos créditos estavam «gastados» quando eles entraram no plantel/elenco de governo.

Para o porta-voz de Cs, este processo serve para o pagamento de faturas de fornecimentos obrigatórios e que o sucedido se pode dever «a uma má previsão da despesa» do governo anterior.

O Partido Popular, por seu lado, não entrou a valorizar nenhum dos dois pontos de levantamentos de inconvenientes, enquanto Vox mostrou-se a favor de pagar as faturas {impagadas}.

As notícias mais...