Menú

El Periódico Extremadura | Domingo, 18 de agosto de 2019

Almendralejo quer estar na rede estatal de cidades educações

Azuaga e Badajoz são agora as únicas na região das 214 de toda Espanha. O vereador justifica a criação do nova colégio em São Roque por «massificação»

RODRIGO CABEZAS prov-badajoz@extremadura.elperiodico.com ALMENDRALEJO
11/07/2019

 

Almendralejo se tem fixado o grande repto/objetivo de estar na rede estatal de cidades educações, uma associação cuja estrutura promove uma colaboração permanente com governos locais comprometidos com a Carta de Cidades Educações, isto é, com um catálogo de objetivos a cumprir nesta matéria. Atualmente, há 214 cidades aderidas a esta rede em toda A Espanha e somente dois na Extremadura: Badajoz e Azuaga. Fazer parte dela e beneficiar de suas atividades é um dos grandes propósitos da novo pelouro de Educação que agora gere Manuel Álvarez Franco, que ontem expôs as linhas básicas de seu pelouro.

Entre algumas das atividades básicas que promove o facto/feito de pertencer a esta rede estatal encontra-se ações de urbanismo como potenciar caminhos escolares seguros, melhorias no trânsito, apoio às {ampas} das escolas, implicação para solucionar o problema do absentismo escolar, a criação duma escola municipal de pais, entre outros temas.-

Manuel Álvarez tem comentado que vão trabalhar para tratar de cumprir todos os requisitos que permitam à cidade poder/conseguir estar nessa rede.

Entre os planos mais imediatos da pelouro de Educação encontram-se os trabalhos de manutenção que cada verão acomete a Câmara Municipal nas escolas públicos e que obedecem a trabalhos de pintura, iluminação ou alvenaria. Neste sentido, uma das prioridades, segundo comenta Álvarez, é a substituição dos {tubes} de iluminação {fluorescentes} por tubos Led para uma poupança no consumo.

Também é pretensão da nova equipa/do novo equipamento de governo manter o serviço de conselheria que há nas escolas públicos. Para isso, a pretensão é a renovação do contrato que há em vigor com {Minusbarros}, que funciona como centro especial de emprego. Para apoiar a este pessoal também se pretende criar uma rede de auxiliares administrativos de apoio que não estarão fixos nas escolas, mas irão girando em todos eles em função das necessidades.

Investimentos/ Manuel Álvarez recordou que há um saco/sacola/bolsa de em torno de seis milhões de euros em investimentos para infraestruturas educativas que está a funcionar. Neste afastado, a maior investimento se a leva a construção do nova colégio de São Roque que deveria começar a funcionar face ao curso 2020-2021. Álvarez reconhece que ainda não pediu informação sobre/em relação a prazos, mas justifica a necessidade de sua edificação pela massificação que segue/continua tendo na zona de São Roque, onde o única colégio que há atualmente {CP} São Roque) carece de sala de aula de música por ter que albergar classes de alunos.

Álvarez assinalou que desde o pelouro também trabalharão para dotar ao {IES} Carolina Coronado de formação em ciclos superiores, único instituto/liceu da cidade que não tem. Também, colaborarão com o centro universitário Santa Ana com o repto/objetivo de atrair mais licenciaturas a Almendralejo. Ficam pendentes outras obras como a coberta do conservatório, os pátios de Montero ou o centro infantil A Piedade.

As notícias mais...